• INSTITUTO FLÁVIO LUCE

RELATÓRIO PRELIMINAR DE REUNIÃO PARA ORGANIZAÇÃO DO EGATESPO- SANTA MARIA/RS

Atualizado: Jun 5

DOCUMENTO EM DISCUSSÃO ( AINDA SUJEITO A ALGUMAS MODIFICAÇÕES CONFORME OBSERVADO AO SEU FINAL

)

EGATESPO

ENCONTRO GAÚCHO DE ADMINISTRADORES E TRABALHADORES DE SERVIÇOS PÚBLICOS ODONTOLÓGICOS

RELATÓRIO DA III REUNIÃO DE ORGANIZAÇÃO DO EVENTO

1 - DATA – 17.12.2019

2 - LOCAL – SANTA MARIA

3 - HORÁRIO - 14 HORAS

4 - PRESENTES –

Fernando Molinos Pires Filho – Instituto Flávio Luce

Ronário Zaiosc Turchiello – Odonto – FEEVALE

Luisa Helena Do Nascimento Torres – Fac. Odonto/UFSM

Patricia Campagnol – Prefeitura Municipal Santa Maria

Anderson Tambara – SOBRESP

Camila Sfreddo – Universidade Franscicana (UFN)

Jessie - Fac. Odonto/UFSM

Beatriz Baldo Marques - Fac. Odonto/UFSM

5 – ANTECEDENTES

A reunião decorreu de manifestação de parte dos colegas de Santa Maria que, após discussões com alguns docentes das Faculdades locais e da direção da Secretaria Municipal de Saúde e da direção da UFN, analisando algumas condições de apoio, confirmaram disposição de sediar o Evento. Tal fato deu origem a Reunião em Santa Maria com a presença de representação da Coordenação Estadual do Evento.

6 – DESENVOLVIMENTO DA REUNIÃO

A reunião desenvolveu-se com base em relatos preliminares por parte dos colegas de Santa Maria, que confirmaram a disposição de sediar a realização do Evento, configurando, todavia que o processo de articulação de Entidades para obter apoio a realização do Egatespo encontra-se, ainda em estágio de contatos iniciais para sondagem junto as instituições de formação e serviços quanto a apoiarem o evento. De outra parte indicaram os colegas que realizaram reuniões para análise dos relatórios das reuniões de e que, em função de um olhar local desses encaminhamentos, apontaram para a necessidade de se considerar alternativas à algumas proposições indicadas nas reuniões preparatórias até o momento desenvolvidas em POA, adequando-as as possibilidades e conveniências para se alcançar o máximo de resultados em relação aos propósitos do Evento.

Na sequência, Fernando, representando a Coordenação Estadual, faz relato das motivações para desenvolvimento do Encontro, destacando os objetivos que se pretende alcançar com sua realização, sobretudo aqueles que dizem respeito a necessidade de posicionamentos e enfrentamento a atual conjuntura, no que vem determinando à continuidade do processo histórico de construção da saúde e da educação como direitos de cidadania e responsabilidade do Estado, expressos na garantia de condições para garantia do SUS e dos direitos sóciais da população brasileira, expressos nas suas necessidades de financiamento adequado aos serviços do SUS, respeitado os direitos sociais e trabalhistas dos que neles atuam, em sua articulação com as Instituições de ensino, em suas funções de ensino, pesquisa e extensão. Enfatizou, também que o evento pode contribuir para articular os que atuam na área da saúde coletiva, em especial para o resgate da identidade desse coletivo, reforçando seu protagonismo técnico, social e político.

O segundo momento da Reunião foi dedicado ao levantamento das condições para viabilização do evento em termos dos recursos que precisam ser garantidos a sua execução, bem como para a viabilização da participação dos diferentes segmentos que se pretende reunir no Evento.

Nesse sentido alguns aspectos que balizam as condições de realização do evento, determinando as possibilidades concretas de sua realização foram considerados. Esse processo indicou a necessidades de adequações no preliminar projeto de execução. Entre eles foram destacados como relevantes:

- A extrema situação de indisponibilidade financeira e de recursos materiais por que passam as Instituições para se disponibilizarem ao apoio e colaboração no desenvolvimento do evento

- As dificuldades financeiras por que passam os trabalhadores que, mesmo se liberados pelos serviços, enfrentarão sérias limitações para arcar com despesas de inscrição, deslocamento, alojamento e alimentação, durante os dias de duração do Evento.

- A limitação de espaço físico para realização do evento (anfiteatro e salas de aula), na UFN (instituição central e com as melhores possibilidades para acesso e desenvolvimento das atividades) ainda que se tenha garantia de uso dos equipamentos áudio visuais disponíveis, está condicionado a algum retorno financeiro para compensação com despesas com funcionários que deverão ser disponibilizados para atender as necessidades do Evento.

- A preocupação com a necessidade de superação de eventos discursivos, que emboram possam contribuir para o acréscimo de conhecimentos teóricos, falham na viabilização de oportunidades de participação ativa dos trabalhadores. Oportunidades que lhes garantam espaços reais para discussão, troca de experiências e participação na formulação de possíveis abordagens de seus problemas concretos de trabalho e prática profissional.

- A formulação de uma pauta temática que expresse necessidades reais de interesse dos participantes e que se apresente sob uma forma ou expressão de suas conseqüências práticas. Ou seja, como problemas, que , no cotidiano, dela emergem como questões que precisam ser enfrentados e não apenas constatadas, e que de suas apresentações não resultem sequer desafios que estimulem os participantes para um protagonismo coletivo de ordem política, que os resgatem como “cabeça de obra” e não apenas como “mão de obra” - capital humano - submisso e resignado à ordem de um comando autoritário, burocrático e por vezes, alheio a realidade que precisa ser enfrentada.

Baseado em tais pressupostos a reunião encaminhou-se para discutir e readequar o projeto preliminarmente desenhado para o evento, em seus diferentes itens organizativos. Passou-se, com base nisso a

7 - REANÁLISE DAS QUESTÕES A SEREM ENFRENTADAS NA REALIZAÇÃO DO EGATESPO

7.1 - QUANDO: ANO - MÊS - DATA DE REALIZAÇÃO E DURAÇÃO

Mesmo frente a revisão da data do ENATESPO para alem do mês de junho de 2020, indica-se a manutenção do mês de maio de 2020 para realização do EGATESPO, porem em dois dias, nas datas de 29 e 30 (sexta e sábado).

7.2 – QUANTO AO CREDENCIAMENTO – . Em função das disponibilidades de espaço físico para desenvolvimento das atividade o número máximo de participantes deve ser fixado em 150 pessoas. Não foi feita a distribuição de vagas por categoria (profissionais, gestores, técnicos/ auxiliares e acadêmicos) o que precisa ser melhor definido. Todo processo de inscrição ao evento será realizado pela UFN, que dispõem de setor competente para isso, de forma antecipada, momento em que os participantes optam por temas de preferência para ordenamento nos grupos temáticos de discussão, que terão número limitado de participantes em função do espaço físico das salas disponíveis. Nessa ocasião os interessados na apresentação de posters deverão estar indicando também suas inscrições para suas sessões de apresentação, indicando a temática do Evento a que se referem, à consideração da Coordenação do Evento, que selecionará 25 deles, levando em conta a abrangência da pauta.

7.2 - TEMA DO EVENTO :

Tendo em vista a motivação que leva a organização do Evento e a intenção de aproximar a organização da resistência não apenas no plano das políticas maiores, voltando um forte olhar para os locais onde efetivamente elas se desenvolvem – os municípios – considerou-se como apropriado o tema central do Evento apontando-se a conveniência de que isso fique explicito no título com o acréscimo de um complemento ao seu final: “A conjuntura Nacional e os Desafios à atenção a Saúde Bucal nos Municípios – identificando problemas, buscando soluções”

7.3 – PROGRAMAÇÃO DE ATIVIDADES PARA OS DOIS DIAS DO EVENTO

1º DIA (SEXTA FEIRA)

MANHÃ

8.00 as 9.00horas:

RECEPÇÃO

Entrega de crachás e orientação de salas de trabalho, distribuição de material e fornecimento de informações solicitadas

9.00 as 12 horas:

PRIMEIRA SESSÃO DE TRABALHO nos grupos de discussão.

Os temas de discussão serão propostos em função de assuntos ligados à prática diária dos trabalhadores e seus processos de trabalho Nessa manhã funcionarão os cinco primeiros grupos de discussão temáticas. Em relação a cada tema os participantes serão demandados a identificar e caracterizar a situação do mesmo em seu município, os problemas identificados em relação a eles e as possíveis alternativas/soluções e sugestões de encaminhamentos. Para cada tema a coordenação do Evento distribuirá um texto referência. Cada grupo contará com a presença de 1 coordenador de sala e 01 relator também indicados, a priori, pela Coordenação.

TEMAS DOS GRUPOS DO 1º DIA:

GD1: VIGILÂNCIA: A necessidade de conhecer a realidade local, como expressão de sua particular situação epidemiológica. Que elementos levar em conta? Particularmente a questão da fluoretação o que se sabe? Problemas?

GD3: FINANCIAMENTO: Qual a realidade do município em relação as condições de financiamento para levar a cabo o adequado funcionamento do serviços? Qual a postura dos gestores e dos mecanismos de controle social sobre essa questão? Como agem os profissionais frente a falta de condições para realização de suas tarefas?

GD4: PAPEL DOCENTE: Seu papel no campo da educação limita-se aos espaços intitucionais de formação profissional? Os docentes em SBC: como se vem em relação ao modelo prevalente de formação profissional, pensado em relação as necessidade do SUS? De que forma e como estabelecem relação com os Serviços públicos? Como atuam no sentido de estabelecer compromissos institucionais e não apenas pessoais com os Serviços? Qual sua prática social e suas relações com os serviços de controle social? Qual tem sido sua participação em eventos tipo conferencias de saúde, em novel, local, estadual e nacional? Qual seus mecanismos de articulação com profissionais da área fora de sua prprópia Instituição?

GD5: PROCESSO DE TRABALHO: como entende seu campo de trabalho? Em que espaços sociais ele se torna necessário? Oque é possível e desejável realizar em cada um deles dentro de seu papel profissional? Quais as maiores dificuldades se apresentam a seu processo de trabalho, de que forma se expressam, em que medida se envolvem os profissionais com essas dificuldades operacionais? Identifica em seus limites de trabalho a existência de demandas extra-clinicas? Envolve-se com elas? Qual sua participação na organização da demanda em seus serviço?

12.00 as 13.30 horas

INTERVALO para almoço

A Coordenação deve indicar locais próximos disponíveis para oferecer serviços de alimentação

TARDE

14.00 – 16.00 horas

SESSÃO DE APRESENTAÇÃO DE PÔSTERS

Em cada uma das cinco salas realizar-se-á uma sessão de apresentação de posters. Os pôsters deverão, como já referido, versar sobre tópicos da temática do Evento e serão apresentados de forma verbal (em tempos máximo de 15 minutos), organizados em grupos de 5, ao final dos quais se disponibilizará um tempo de 20 minutos para discussão e esclarecimentos). Em cada uma das cinco salas disponíveis se realizarão dois conjuntos de apresentação, de cinco posters, totalizando 10, por sala. A coordenação do Evento indicará um Coordenador de atividade em cada sala.

16.00 as 18.00 horas

SEGUNDA SESSÃO DE TRABALHO NOS GRUPOS DE DISCUSSÃO

Nessa primeira tarde, após a Sessão de Apresentação de Posters, dar-se-á continuidade aos trabalhos de discussão nos grupos iniciados pela manhã, seguindo a orientação da Coordenação das Salas em função do cumprimento da pauta do dia.

NOITE

19.00 – 20 horas

SESSÃO DE ABERTURA/com formação de mesa a partir das Entidades apoiadoras do Evento, a definir, sob coordenação de um membro da Coordenação.

20.00 – 22.00 horas

PAINEL – AS POLÍTICAS NACIONAIS DE SAÚDE E SEUS REBATIMENTOS NOS MUNICÍPIOS

Painelistas:

Representantes do Ministério da Saúde, do CONASSEMS e do CMS de Santa Maria, sob coordenação de um ativador indicado pel Coordenação do Evento

22.00

COQUETEL DE RECEPÇÃO

2º DIA (SÁBADO)

MANHÃ

9.00 - 12.00 horas

3ª SESSÃO DOS GRUPOS DE DISCUSSÃO

TEMÁTICAS DE CADA GRUPO:

GD6: UM OLHAR SOBRE A INSERÇÃO E A PRÁTICA DAS CATEGORIAS ASB/TSB NAS EQUIPE DE SAÚDE BUCAL NOS SERVIÇOS

GD7: O FUNCIONAMENTO EM REDE: com vem se dando a relação APS/ CEO/ Hospital (redes)

GD8: UMA ANÁLISE CRÍTICA DA FORMAÇÃO de RH em saúde NA PERSPECTIVAS DO SUS Avanços/ dificuldades e retrocessos (residência, PPG, graduação, técnicos). A Integração ensino- serviço: Como se operacionaliza?

GD9: A GESTÃO DA SAÚDE: Um perfil de modelo de gestão que precisa ser traçado sob a ótica dos trabalhadores e usuários: Qual o existente em seus serviços?

GD10: CONTROLE SOCIAL/ PARTICIPAÇÃO POPULAR: As relações entre os autores presentes e ausentes nesse processo: do trato burocrático a responsabilidade social. Como avançar nesse propósito?

12.00 – 13.30 horas

INTERVALO PARA ALMOÇO

TARDE

1ª parte: 14.00- 16.00 horas

ESPAÇO PARA REUNIÕES

Reunião dos docentes da área de saúde bucal coletiva

Coordenação: ..........................................

Reunião dos acadêmicos de odontologia

Coordenação:..........................................

Reunião dos técnicos e auxiliares de odontologia:

Coordenação:...........................................

2ª parte: 16-18 horas

Apresentação dos Relatórios temáticos

Apreciação das Moções

Encerramento com a leitura e apreciação da CARTA DO V EGATESPO

NOITE

FESTA DE CONFRATERNIZAÇÃO –

( POR ADESÃO )

7.4 – INSCRIÇÕES PARA O EVENTO

As inscrições (NO MÁXIMO DE 150 PESSOAS) poderão ser feitas no período de ........ a ...., junto a Secretaria da UFN: ..........., mediante a contribuição dos seguintes valores segundo a categoria profissional a que pertençam:

C. Dentistas e Gestores – R$ 100,00

Técnicos, Auxiliares e estudantes - R$ 30,oo

ATENÇÃO:

Abre-se a possibilidade de adesão antecipada ATÉ O FINAL DO MÊS DE MARÇO (31.03.2020) com 50% de desconto para TODAS AS CATEGORIAS: profissionais (R$ 50,00) pessoal auxiliar e estudantes de graduação (não envolvidos na Organização) (R$ 15,00)


7.5 PROVIDÊNCIAS QUE PRECISAM SER IMPLEMENTADAS

No sentido de avançar na organização do evento, atendendo a urgência que o calendário impõem, a Reunião indica, ainda:

1 - a necessidade de tomada de posição sobre o modelo de organização proposto de forma definitiva. Neste sentido, apesar do período de férias, é absolutamente necessário, a realização de uma Reunião para apreciar e “bater martelo” sobre os pontos desse Relatório

2 – Para facilitar o trabalho de divulgação e contatos com vistas a busca de apoio de outras instituições duas ações precisam ser implementadas, também urgentemente, após o item 1 :

2.1 - A formalização de um Projeto (exigência da UFN ) Esta providencia está sendo encaminhada pela Colega Beatriz, que pede contribuições em relação a alguns itens do modelo utilizado nessa Instituição.

2.2 - A constituição de comissões de Trabalho com Coordenadores e membros definidos, de forma que as diferentes ações se desdobrem com mais presteza e sob responsabilidades definidas:

De Coordenação – Responsavel institucional pelo Evento, representação e tomada de decisões;

Secretaria - (faz a gestão das comissões e trata da relação com a instituição UFN e com os participantes)

Cientifica – Responsavel pela elaboração dos textos de referencia cobrindo a pauta dos Grupos de discussão e pela elaboração da Carta do V Egatespo;

Grupos de Discussão: Encarregado de organizar a distribuição dos participantes nos grupos, indicar coordenadores e relatores dos grupos e organizar a apresentação dos relatórios na plenária final

Infraestrutura: Encarregada de preparar os espaços fiicos e atender as demandas para o desenvolvimento dos trabalhos nos locais em que se desenvolvem, bem como o cafezinho para atender os grupos durante seus perídos de trabalho

Comunicação: Encarregado de definir a estratégia de divulgação do evento em sua fase de inscrição e de cobertura da imprensa durante a após sua realização. De forma mais urgente seria a elaboração de um logo para identificação do Evento: sugestão talvez o fundo com a imagem do laçador(?!)

Credenciamento: Mesmo que o mesmo fique ao encargo da Secretaria da UFN seria convenient contarmos com alguém que se encarregue especificamente dessa articulação antes e durante o evento

Financeiro: A quem caberá a tarefa de pensar e buscar junto com a Coordenação dos apoios de toda ordem, em particular, os financeiros que precisam antes de mais nada de uma estimativa dos gastos que precisarão ser cobertos. Quem sabe, baseado, na experiência adotada pelo ENATESPO lançar uma campanha de apoio, quer antecipando contribuições, quer tentando a cooperação do setor comercial e industrial vinculado a área da saúde bucal.

Neste sentido cabe ir fazendo consultas junto aos colegas que já estão envolvidos com a realização do Evento e de outros que podem vir a ser convidados a compor essas Comissores, relatorias e coordenações de atividades etc. Precisamos de apoio efetivo e não de admiradores ou observadores, curiosos apenas. Quem sabe , pensando que o cnário nacional seja mais conveniente para aparições.

3 - Como o Evento é estadual a par de se ter tido uma conversa inicial com o Reitor da UFSM, que mostrou-se bastante motivado para tal ocorrência, organizou-se uma agenda de contatos em Porto Alegre com Instituições de abrangência estadual como a FAMURS, COSEMS, Assembleia Legislativa, Conselho Estadual de Saude , afora a busca de apoio oficial entre as Entidades de Representação da Categoria como o CRO/RS, a SOBRACID, SOBRACON, Sindicato dos Odontologistas, A-CECO , OCERGS entre outras. Também as Faculdades devem ser procuradas até mesmo porque a presença de docentes e acadêmicos, tanto de graduação como de pós é importantíssima, lembrando também que integrantes e alunos da áreas das profissões técnicas e auxiliares é indispensável.

Esta providencia já havia sido anteriormente levantada , mas pouco foi implementada. Talvez fosse o caso de se fazer um CONVITE/COMUNICAÇÃO de realização de uma Reunião em Porto Alegre ou mesmo em Santa Maria, com chamamento conjunto das Reitorias das Universidades já envolvidas e da UFRGS a ser acionada, com apoio da Comissão de Saúde Estadual e outra Entidades no sentido de um apoio solidário de todas elas ao Evento, incluindo evidentemente o CRORS, a ABO, a SOBRACID A SOBRACOn e o Sindicatos de Odontologia, sem deicxar de fora a ACECO e a UNIODONTO.


ATENÇÃO


Este relatório aguarda manifestação dos Colegas de Santa Maria para produção de sua versão definitiva, de forma a se avançar no proceSso de organização do Evento, que dada as circunstancias da Pandemia deverá ter continuidade por meio da troca de mensagens e reuniões pela rede de internete.

2 visualizações

Instituto Flávio Luce

Saiba mais sobre nós. A construção, o funcionamento e as perspectivas que se tem em relação ao Instituto se fundamentam nos seguintes atributos:

Institucional
Comunicação
Instituto Flávio Luce

Referência para contatos:

Programação

Nos acompanhe

© 2018 por Sheep Consultoria